O que é o Open Banking
e o Open Finance?

Os termos em inglês “Open Banking” e “Open Finance” fazem referência a
um “Sistema Financeiro Aberto” que permite o compartilhamento de
informações entre instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central. Na
prática, o Open Finance é a evolução do Open Banking e nele os cooperados
poderão escolher com quais instituições compartilhar seus dados e
informações para ter acesso a produtos e serviços personalizados.
O sistema será responsável por colocar as pessoas no centro das decisões,
para escolherem produtos mais adequados ao seu perfil.

Vantagens do Open Banking

Liberdade de escolha

Com o Open Banking, você tem autonomia para migrar de uma instituição financeira para outra, em um processo muito menos burocrático.

Diversidade de produtos

Com mais informações, os produtos financeiros devem ser atrativos para cativar as pessoas e com um número maior de opções.

Menos custos

O Open Banking é gratuito para pessoas físicas. Mas vai além, com o aumento da competitividade, novamente as pessoas serão beneficiadas com custos menores.

Segurança

O ecossistema foi desenvolvido para proporcionar um ambiente seguro e seguindo a Lei Geral de Proteção de Dados. Junto a isso, o Banco Central inclui uma série de requisitos para garantir o sigilo das informações compartilhadas.

Com o Open Banking, você tem autonomia para migrar de uma instituição financeira para outra, em um processo muito menos burocrático.

Com mais informações, os produtos financeiros devem ser atrativos para cativar as pessoas e com um número maior de opções.

O Open Banking é gratuito para pessoas físicas. Mas vai além, com o aumento da competitividade, novamente as pessoas serão beneficiadas com custos menores.

O ecossistema foi desenvolvido para proporcionar um ambiente seguro e seguindo a Lei Geral de Proteção de Dados. Junto a isso, o Banco Central inclui uma série de requisitos para garantir o sigilo das informações compartilhadas.

Cronograma do Open Banking

O Banco Central criou quatro fases para o projeto, todas em 2021.
A primeira, já em andamento, é a troca de informações entre as instituições financeiras.

A seguir, confira as próximas etapas:

Open Banking e
Open Finance na Cresol

Na Cresol, o Open Banking e o Open Finance irão gerar novas oportunidadese soluções financeiras para os cooperados, sempre priorizando o relacionamento e os nossos valores de proximidade, ética, credibilidade, simplicidade, cooperativismo e sustentabilidade.
É o cliente que decide quais informações revelar e com quem compartilhá-las.

Perguntas frequentes

O Open Banking ou Open Finance, é o sistema financeiro aberto, que permite
clareza e liberdade no seu dia a dia. Com ele você poderá compartilhar dados e seu
histórico bancário de forma gratuita por parte de instituições participantes
autorizadas pelo Banco Central do Brasil.

Com o Open Banking o objetivo é a entrega de produtos e serviços financeiros com
maior assertividade, conveniência e segurança, além de priorizar o consumidor
como o centro das soluções financeiras. Assim, será possível ter maior visibilidade e
controle de sua vida financeira e acesso a soluções financeiras mais vantajosas e
adequadas às suas necessidades e objetivos.

Preservar a segurança em relação aos dados e serviços compartilhados é um dos
principais objetivos do Open Banking. Por isso, as instituições participantes devem
respeitar a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), além de cumprir uma série de
requisitos para garantir a autenticidade, a segurança e o sigilo das informações
compartilhadas.

Serão compartilhadas informações sobre transações bancárias (conta corrente,
poupança, cartões), além de outros produtos e serviços, como seguros, propostas
de crédito, previdência, entre outros produtos.

A partir da etapa de compartilhamento, os cooperados poderão decidir se querem
ou não dividir suas informações e com quais instituições. Como consequência, terão
acesso a melhores ofertas de produtos e soluções financeiras, permitindo também
um controle e gerenciamento mais claro de suas finanças.

Não. Pessoas físicas e jurídicas só participarão mediante o consentimento do
compartilhamento dos seus dados. Portanto, nenhuma instituição financeira poderá
ter acesso aos dados dos cooperados sem esse consentimento.